Como cultivar Íris: A planta das cores vivas

1 comentário

     Os apaixonados por flores a conhecem e não há um que não se renda aos encantos dessas maravilhosas. Estamos falando das Íris, uma das especiais mais lindas e delicadas presentes na natureza.

     Devido seu aspecto são constantemente confundidas com orquídeas diversas, no entanto, essas incríveis plantas possuem detalhes únicos e especiais e nascem em diferentes tons, indo do branco ao azul vibrante.

     A Íris é perfeita para o clima brasileiro e por isso desperta ainda mais a atenção dos cultivadores de nosso país. É a opção perfeita para você decorar o jardim com uma espécie delicada, exuberante e de simples cuidados.

     Diferente da grande maiores de flores presentes na natureza, a Iris conta com mais de 200 variações de espécies entre si. A grande maioria delas conta com flores roxas ou em tons azulados de 3 pétalas.

     Cada tipo possui suas características especiais e cuidados únicos que devem ser observados atentamente caso queira ter uma planta de aspecto saudável.

     É importante escolher a espécie que melhor se adapte a sua região, até porque isso tornará o cultivo mais barato e simples. Para isso recomendamos uma pesquisa mais aprofundada sobre a espécie que escolher, devido ao grande número que citamos acima.

Cuidados

     Falar sobre quais cuidados tomar com a Íris pode soar meio contraditório pois como citamos há características únicas e diversas espécies, mas os cuidados são comuns e semelhantes a boa parte das espécies. Levando em consideração que o Brasil é um país tropical também faz-se necessário optar às variações que melhor se adaptam ao nosso clima, como a Íris sibirica, versicolor ou de Louisiana.

     Sabendo disso, alguns cuidados principais são:

     A Íris possui uma espécie de bulbo (o famoso rizoma) e por isso, a melhor época de plantio acontece no finalzinho do verão. A temperatura estará amena, porém ainda quente o bastante para ajudar no desenvolvimento do rizoma até que chegue o inverno.

     Se o inverno é mais ameno na região onde você mora e o verão mais prolongado, abril pode ser um período bom para a plantação da Iris. Agora, se sua região não apresentar essas características, fevereiro a março torna-se o período ideal.

     Ao plantar a Íris é indispensável deixar o rizoma parcialmente exposto. Obviamente é necessário que uma parte dele esteja na terra, porém é fundamental também que uma parte fique acima do solo para garantir o perfeito desenvolvimento da planta. Afundando o rizoma e deixando-o completamente coberto você corre o risco de impedir o crescimento da planta.

     Um outro cuidado importante é em relação a proximidade de duas ou mais Íris. É um fator indispensável que elas possuam, pelo menos, trinta centímetros de distância uma da outra para que possam se desenvolver de forma saudável. Caso plante duas Íris próximas, o rizoma e as raízes não terão espaço o suficiente para desenvolvimento.

     O resultado disso? Nenhuma das flores ficará tão bonita ou com aspecto saudável quanto as que forem plantadas respeitando a limitação de espaço. Caso esteja pensando em cultivar em vasos, o ideal é que cada Íris tenha seu próprio vaso.

     Por se tratar de uma estrutura bastante delicada, o rizoma precisa de alguns cuidados específicos. Afinal, sem ele a planta não se desenvolverá e caso ele fique abafado ou úmido, poderá mofar ou servir de criadouro para pragas.

     Para evitar esse tipo de coisa é necessário certificar-se que o solo tenha uma boa drenagem. Caso o plantio seja em vasos, torna-se indispensável uma camada de drenagem ou um vaso de cerâmica.

     A rega é muito importante e precisa ser realizada com frequência, principalmente no começo do desenvolvimento da Íris. Geralmente, uma rega caprichada a cada 5 ou 7 dias ajuda a planta a se desenvolver bem e fornece tudo que ela precisa.

     Conforme o desenvolvimento da planta, as regas devem tornam-se menos frequentes e em alguns casos poderão até deixar de existir caso o inverno seja mais úmido ou mais ameno. Sendo assim, observe atentamente a planta e seu aspecto e não exagere na quantidade de água, afinal isso pode causar um efeito contrário do que se espera.

     É bem comum, principalmente no inverno, a Iris apresentar algumas folhas secas, amarronzadas ou murchas. Em casos como esse, pode ser que a saúde da planta esteja sendo afetada e por isso as folhas precisarão ser retiradas.

     Assim sendo, sempre que notar uma folha que não apresenta aspecto saudável procure cortá-la com cuidado. Já as folhas verdes, é muito importante que não sejam cortadas pois elas irão garantir nutrientes importantes para o desenvolvimento da flor.

     Como a grande maioria das flores, a Iris também se beneficia de fertilização para garantir uma suplementação de nutrientes afim de se desenvolver de forma plena. No entanto, para que essa fertilização traga benefícios é preciso que seja feita da maneira correta e claro, com os fertilizantes corretos.

     Fertilizantes ricos em nitrogênio não são recomendados devido ao risco de o rizoma apodrecer. Os de uso geral são os mais recomendados. É importante saber que o fertilizante não deve ser aplicado diretamente no rizoma e é necessário realizar uma rega logo após a aplicação para evitar que o fertilizante queime a planta.

     A Íris é uma das flores com maior número de variedades disponíveis na natureza e também uma das mais adaptáveis e resistentes.

     Bonita, delicada e de fácil cultivo ela torna-se uma ótima opção para decoração de jardins trazendo beleza e elegância ao ambiente. Demais, né?!

Uma resposta para "Como cultivar Íris: A planta das cores vivas"

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *