Pesquise por hashtags, nomes, e assuntos Pesquisar

Fertilizantes Orgânicos e Minerais: suas vantagens e desvantagens

Você que já tomou a decisão de dedicar tempo e espaço de sua casa ou apartamento para cuidar de plantas, não pode deixar de entender do que elas se alimentam e o que precisam para se manterem saudáveis. Como cada planta necessita de determinados nutrientes, é necessário manter o solo bem guarnecido.

O fertilizante é o ‘alimento’ da planta. É uma substância mineral ou orgânica, natural ou sintética, que fornece um ou mais nutrientes para os vegetais. Uma das classificações possíveis dos fertilizantes diz respeito à natureza química dos nutrientes, que podem ser minerais, orgânicos ou organominerais. Muitas pessoas confundem essa classificação, julgando haver elementos nocivos no fertilizante. Tais elementos estão comumente presentes em agrotóxicos e defensivos químicos, mas podem ser substituidos por produtos naturais como o óleo de neem. Quando se pergunta a diferentes pessoas qual fertilizante elas preferem pode-se começar um debate sem fim. Há diferenças significativas principalmente entre fertilizantes orgânicos e mineiras em termos de disponibilidade de nutrientes e efeitos de longo prazo no solo, plantas e meio ambiente.

Caracteristicas dos Fertilizantes

Fertilizantes orgânicos são derivados de restos de matéria orgânica ou subprodutos de organismos vivos. Essencialmente são os que possuem carbono em sua composição. São digeridos por bactérias que liberam no solo o que a planta necessita, de forma lenta. Como fertilizantes orgânicos possuem baixa quantidade de elementos-chave (potássio, nitrogênio e fósforo) uma grande quantidade deve ser utilizada. Contudo, há fertilizantes de ação rápida, como o guano de morcego, farinha de peixe e húmus de minhoca.

  • Vantagens: Melhoram a estrutura do solo; Eliminam a possibilidade de fertilização excessiva; Risco muito baixo de gerar elementos nocivos às plantas, como sais; São biodegradáveis, sustentáveis e renováveis; Podem ser feito em casa.
  • Desvantagens: Por necessitar de calor para os microorganismos realizarem a quebra dos nutrientes, os fertilizantes orgânicos são sazonais; Como já dito, soltam de forma lenta os nutrientes no solo; A taxa de nutrientes são frequentemente desconhecidas;
  • Exemplos: Dejetos de animais, restos de vegetais, farinha de ossos, turfa;

 

Fertiizantes de base mineral, ou inorgânicos, são o que o nome já diz, derivados de minérios. Também são conhecidos como sintéticos pois passam por um processo de quebra a fim de separar os minérios das impurezas. Podem ser feitos de produtos do petróleo, rochas e até mesmo de fontes orgânicas. São absorvidos mais rapidamente pelas plantas e por isso requerem cuidados pois podem até causar problemas, como a queima de folhas e raízes e acúmulo de sais no solo. Não apresentam riscos à saúde humana de forma direta, mas há subprodutos dos nutrientes (ureia que produz amônia, por exemplo) que podem causar contaminações no meio ambiente.

  • Vantagens: Nutrientes estão disponíveis imediatamente para a planta; Como são produzidos artificialmente, apresentam ilustrada no rótulo a exata composição; Padrões de etiquetas tornam fácil o entendimento; São baratos.
  • Desvantagens: produzidos de fontes não renováveis; Não promovem vida e saúde do solo; Risco de fertilização excessiva podendo matar a planta e também prejudicar todo ecossistema; Tendem a escorrer, requerendo aplicações adicionais; Muito tempo de uso pode alterar o pH do solo, com consequências aos organismos que ali vivem.
  • Exemplos: Nitrogenados, fosfatados, potássicos. (Possuem exatamente a composição do nutriente desejado).

Agora que você entende um pouco mais sobre o que está acontecendo com suas plantas, pode pesquisar as necessidades de seu jardim e fazer uma melhor escolha entre os fertilizantes.

Você tem mais alguma dica para fazer as plantas crescerem mais vistosas e saudáveis? Compartilhe com a gente.

Comments

comments

Feito por Nerau Studio