Pesquise por hashtags, nomes, e assuntos Pesquisar

Como funcionam as hortas comunitárias: benefícios e dificuldades

Com as hortas comunitárias, moradores têm a garantia da procedência e qualidade dos alimentos

Hortas comunitárias, como o próprio nome diz, são hortas de uso coletivo, cultivadas por pessoas que geralmente moram nas redondezas ou estão agrupadas em associação. Elas são uma ótima alternativa para dar funcionalidade a terrenos baldios nas cidades, pondo fim aos problemas por eles gerados e trazendo uma série de benefícios para os que se dispuserem a colaborar com a iniciativa.

A forma de funcionamento das hortas comunitárias depende muito de cada situação. Por isso, elas podem ser cultivadas tanto coletivamente, com todos participando de todas as atividades e a produção sendo repartida, quanto de modo em que o espaço seja dividido em talhões ou canteiros e cada indivíduo ou família seja responsável somente por sua parte. Em muitos casos, o excedente pode ser comercializado ou trocado por outro alimento ou produto.

No caso da União de Hortas Comunitárias de São Paulo há cinco requisitos para que uma horta seja considerada comunitária, conforme consta em sua página em uma rede social. O primeiro deles: que não usem insumos químicos e venenos. Segundo: que cultivem com base nos princípios agroecológicos e permaculturais, respeitando a natureza. Terceiro: que realizem de forma coletiva, colaborativa e inclusiva o uso do espaço, o trabalho, a colheita e a gestão. Além disso, que promovam atividades de educação ambiental gratuitas e abertas ao público e, por fim, que compartilhem a colheita livremente pelos voluntários e a comunidade.

Quais podem ser os benefícios

Hortas oportunizam ter variados tipos de ervas, verduras e legumes à mão

Diante das características desse tipo de horta ficam evidentes os benefícios gerados por elas. O principal deles está no prazer de produzir o seu próprio alimento tendo a garantia da sua procedência e qualidade. Além disso, o ato de compartilhar de um mesmo espaço com vizinhos e outras pessoas para a produção de alimentos é capaz de gerar momentos de integração cada vez mais difíceis de serem vistos no cotidiano das cidades.

Hortas comunitárias contribuem, assim, para a melhoria de vida dos cidadãos, tanto em função dos alimentos saudáveis que passam a integrar sua alimentação quanto pelo convívio social gerado pela atividade. Além disso, como já mencionado, as hortas comunitárias podem ser criadas em espaços que não estejam recebendo o devido cuidado e, desse modo, é possível valorizar as áreas localizadas no seu entorno.

A criação de hortas comunitárias também traz benefícios para o meio ambiente, desde que implantada dentro dos critérios anteriormente citados. Desse modo, é possível, por exemplo, minimizar a produção de resíduos e implantar o sistema de compostagem para a destinação de resíduos orgânicos. Além disso, um fato a ser destacado é que os cuidados com a horta ajudam a aproximar as pessoas da natureza e isso pode contribuir para que as mesmas se conscientizem da importância da preservação para a manutenção da vida.

Quais podem ser as dificuldades

Obtenção de um terreno é um dos primeiros desafios

Já ficaram claros os muitos benefícios que podem ser gerados por uma horta comunitária, entretanto, nem tudo são flores. Isso porque muitas são as dificuldades que podem surgir no decorrer da implantação desse tipo de horta. Tudo começa pela obtenção de um terreno adequado e que seja liberado para essa finalidade. A partir disso, o desafio maior que se coloca é em relação à organização das pessoas.

Para muitas delas, a ideia pode parecer bacana, mas o fato é que sequer saberão por onde começar. Por isso, caso as dúvidas prevaleçam no grupo, uma alternativa é avaliar a busca de apoio e acompanhamento técnico. Além disso, ao implementar uma horta comunitária é preciso atentar para algumas questões organizacionais. Exemplo disso é pagamento de água para irrigar as plantas. Nesse sentido, é importante deixar isso acertado desde o início para que não se crie uma situação injusta que possa ser motivo de desavença entre os participantes da iniciativa.

Também é preciso pensar na manutenção da horta em médio prazo. Isso porque a ideia pode animar a todos no início, mas só aqueles devidamente interessados em colher os benefícios de uma horta comunitária é que vão levá-la adiante. Nesse sentido, a cultura do individualismo é uma das dificuldades a serem superadas. Então, para seguir com o projeto de uma horta comunitária é preciso haver um grupo de pessoas que de fato estejam comprometidas com a iniciativa ou, caso contrário, a proposta pode acabar em frustração. Por fim, a dificuldade que listamos é possibilidade de roubos e depredações, o que pode demandar algum tipo de vigilância no caso disso se tornar um problema recorrente.

Apoio para a iniciativa

Na medida em que se amplia a consciência da importância de contar com espaços como hortas comunitárias também se ampliam as iniciativas de apoio à implantação e manutenção desses locais. Elas têm partido do poder público, de empresas privadas, das ONGs, instituições religiosas e associações de moradores, entre outros. Por isso, uma sugestão que fica é verificar se existe alguma organização que presta esse tipo de apoio na sua região. Isso porque a troca de experiências pode ser muito benéfica, auxiliando você a colher os benefícios da iniciativa e até possibilitando formação de uma cadeia de hortas comunitárias pela cidade. Ganha você e ganha o meio ambiente!

MAIS CONTEÚDO: Aprenda como preparar uma horta

*Com informações da publicação Hortas : o produtor pergunta, a Embrapa responde / editores técnicos, Gilmar Paulo Henz, Flávia Aparecida de Alcântara. – Brasília, DF : Embrapa Informação Tecnológica, 2009.

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Feito por Nerau Studio