Conheça os diferentes tipos de pimentas

Sem comentarios

     Amadas por muita gente e desprezadas por muitas outras pessoas as pimentas são parte vital da culinária brasileira.

     Elas existem em diversos tipos, tamanhos, cores e formatos.

     As pimentas são conhecidas pela ardência que provocam quando consumidas e podem ser utilizadas em incontáveis pratos.

     E você o que caracteriza a ardência das pimentas?

     Essa ardência recebe o nome de pungência. A pungência é efeito da capsaicina, uma substância presente no fruto.

     Variações ambientais e genéticas, como condições climáticas e de crescimento, influenciam o nível de ardência das pimentas, que é medido seguindo a Escala de Scoville.

Escala de Scoville

     A Escala de Scoville é usada para medir o grau de ardência ou pungência de plantas Capsicum, como as pimentas ou malaguetas.

     Em 1912, enquanto trabalhava para uma farmacêutica, o farmacêutico Wilbur Scoville desenvolveu um método para medir o “grau de calor” das pimentas. Este teste é chamado de Teste Organoléptico de Scoville ou Procedimento de Diluição e Prova.

     No teste original, Scoville misturou a pimenta pura com uma solução de água com açúcar. Então, um painel de provadores bebeu esta solução.

     Quanto mais solução de água e açúcar é necessária para diluir uma pimenta, mais alta sua pungência. Depois disso, o método foi melhorado e foram criadas as unidades de calor Scoville (Scoville heat units, ou SHU).

     Assim, 1 xícara de pimenta que equivale a 1000 xícaras de água, corresponde a 1000 unidade na escala de Scoville.

     A substância Capsaicina, aquela que gera a ardência nas pimentas, quando pura, equivale a 15 milhões de unidades Scoville.

     Portanto, o poder da pimenta é medido nesta escala. Por exemplo, a pimenta mexicana Habanero chega a 300 mil unidades Scoville.

     Uma pimenta “Red Savina Habanero”, uma espécie modificada, chega a 577 mil unidades e a Tezpur indiana chega a 877 mil unidades.

     A Escala Scoville pode ser extrapolada além das medidas de ardência da Capsaicina, para expressar a ardência de substâncias ainda mais pungentes que a mesma.

     Uma dessas substâncias é a resiniferatoxina, um alcalóide presente na seiva de algumas espécies de plantas euphorbia. Esta substância alcança o grau de 16 mil milhões de unidades Scoville (SHU).

     As pimentas são normalmente utilizadas como tempero, mas também fazem parte de deliciosas sobremesas e podem ser consumidas como aperitivo.

     Conheça algumas das pimentas mais famosas no Brasil.

1. Pimenta Dedo-de-moça

     De origem brasileira, a pimenta dedo-de-moça tem sabor e aroma mais suaves se comparada com outros tipos.

     Esse é o motivo principal para seu sucesso.

     O consumo da espécie pode ser feito de diversas maneiras, desde molhos ou até sobremesas.

     A dedo-de-moça contém vitamina A e C, sendo um ótimo antioxidante.

     O fruto é alongado e curvo, com coloração vermelha intensa.

     Sua pungência (ardência) é media, podendo ficar ainda mais suave ao se retirar as sementes.

2. Pimenta Biquinho

     A linda biquinho se destaca por ser menos ardente e muito menor do que a maioria das pimentas.

     Esses são inclusive os motivos que fazem com que ela agrade até mesmo quem não gosta muito de pimentas.

     Se você deseja começar a se aventurar no mundo das pimentas, ela é a escolha perfeita.

     A biquinho possui formato arredondado, que termina com uma ponta, como se fosse de fato um biquinho.

     Sua cor quando madura é vermelho.

     Uma ótima característica, é que a biquinho possui um aroma incrível!

3. Pimenta malagueta

     A pimenta malagueta é conhecida por ser uma das pimentas mais ardidas.

     É super popular e muito utilizada. Além disso, é também uma das pimentas brasileiras mais cultivadas.

     Seu formato é alongado e a coloração vai do verde (quando imatura) ao vermelho intenso (quando madura).

     Muitíssimo utilizada no Nordeste, ela enriquece pratos como: bobó de camarão, moqueca, vatapá e claro, o famoso acarajé.

     A malagueta é extremamente picante e por tal motivo costuma ser muito temida. No entanto, quando usada moderadamente, resulta em sabores muito estimulantes.

4. Pimenta jalapeño

     A Jalapeño possui sabor característico e é originária do México.

     É utilizada na culinária em diversos lugares do mundo.

     Colhida ainda verde, pode ser usada no preparo de recheios, molhos, receitas com carnes ou até mesmo crua.

     É considerada uma espécie de ardência média. Mas são famosas no Brasil por serem ‘fortes’.

     Quando a pimenta jalapeño está fresca é possível adicioná-la à saladas, principalmente as que tiverem tomate.

     A combinação entre esses dois ingredientes resulta em um sabor único.

     Vale experimentar!

5. Pimenta Cumari

     A pimenta cumari é bastante picante e tem o final um pouco amargo.

     O fruto costuma ser arredondado ou ovalado, e sua coloração varia do amarelo ao vermelho intenso.

     Na variedade vermelha é mais difícil de ser encontrada.

     A cumari não possui aruma expressivo. É geralmente consumida em pratos do dia a dia como arroz, feijão e carnes ensopadas. A pimenta garante um toque muito especial à essas refeições.

     Mas cuidado, como citado anteriormente, ela não é indicada para quem está começando a se aventurar no mundo das pimentas.

6. Pimenta Tabasco

     A pimenta tabasco é uma variedade de espécies de pimenta Capsicum frutescens.

     Originária da América do Norte, a variedade, que pode ser cultivada durante o ano todo, adaptou-se bem ao clima do Nordeste.

     A facilidade na colheita do fruto, que se desprende facilmente, e o tamanho são duas das vantagens da pimenta tabasco.

     Quando na fase jovem as pimentas tabasco são verdes. Em seguida tornam-se amarelas, laranja e, finalmente, atingem o vermelho escuro.

     Seu grau de picância é de médio para alto.

7. Pimenta Habanero

     A Habanero é uma espécie proveniente do México e é extremamente picante.

     Se você têm preferência por espécies ardidas, então sem dúvidas ela é uma ótima opção.

     É uma pimenta de grau de picância 10. Por isso, é necessário ter muito cuidado no manuseio para evitar irritações nos olhos e dedos.

     Os frutos têm a forma de um lampião e podem possuir cores variadas.

     Algo curioso é que a pimenta habanero depois de madura pode apresentar um sabor levemente adocicado, porém, permanece ardida.

8. Pimenta Cayenne

     Conhecida popularmente como Pimenta Caiena, a Capsicum annuum deve o seu nome à cidade de Caiena na Guiana francesa.

     O fruto seco e moído é muito usado como condimento picante.

     A cayenne faz sucesso na culinária de diversos países como Brasil, Índia, Estados Unidos e México.

     Essa espécie possui alta ardência e sabor suavemente amargo.

     Costuma ser utilizada em conservas, molhos e saladas.

Pimentas em conserva

     É muito comum encontrar pimentas em conserva à venda.

     A conserva pode ser feita com diversos produtos, mas os mais comuns e utilizados são sem dúvida o azeite e o vinagre.

Conserva em vinagre

     Esse tipo de conserva apresenta menor risco de contaminação (por conta da acidez do vinagre) e permite combinação de ingredientes, diferente da conserva no azeite.

     Além disso, é possível misturar diversos tipos de pimenta no mesmo frasco e adicionar condimentos que vão além do sal, como por exemplo cravo-da-índia, cominho e alho.

     Outro ponto muito positivo desse tipo de conserva é que a pimenta mantém sua estrutura mais crocante.

     O vinagre branco é o mais indicado para manter a coloração da pimenta mesmo depois de bastante tempo.

     E pra deixar tudo ainda melhor, o próprio vinagre ganha um sabor picante e pode ser utilizado em outras receitas.

     Bom demais, né!?

Conserva em azeite

     Esse tipo de conserva é um pouco mais difícil de ser feita e requer bastante atenção, já que se houver algum tipo de contaminação, corre-se o risco de gerar uma intoxicação alimentar, como o botulismo.

     É indicado que o processo de conserva seja feito por pessoas qualificadas na área para que o risco seja menor e o processo de limpeza e preparação do alimento seja feito de maneira correta.

     Diferente da conserva em vinagre, para conservar pimentas em azeite não pode haver mistura de pimentas e nem adição de especiarias e temperos, já que a conserva pode durar menos tempo e o sabor da pimenta será alterado.

 

     Gostou de conhecer um pouco mais sobre pimentas?

     Então que tal começar a se aventurar no mundo do cultivo dessas incríveis e saborosas danadinhas?

     Em nosso site você encontra sementes de todas as espécies citadas no texto e muitas outras. Confira clicando aqui.

 

Material de apoio – Guia da Cozinha / DeCabrón

Comments

comments

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *