Alface – A rainha das hortaliças

5 Comentários

            Ela é perfeita para quem tem pressa em colher as primeiras folhas, é fácil de cultivar e ainda pode ser usada no paisagismo ou em espaços que vão além da horta. Estamos falando da muito popular e querida alface.

          Ela é tão sensacional, que é capaz de despertar em qualquer um o gosto pelo cultivo de verduras. Sendo uma das hortaliças mais consumidas em todo o mundo, principalmente em forma de saladas, ela requer poucos cuidados e tem ciclo curto. No máximo 45 dias após o plantio das sementes já é possível colher os primeiros pés.

alface_mimosa_g

Alface Mimosa

            As antigas civilizações grega, egípcia e romana, já consumiam a alface. Sendo assim, fica difícil determinar sua origem. No entanto, dizem que ela surgiu na Ásia e no Leste do Mediterrâneo, onde prevalece o clima subtropical árido. De lá, foi levada para o restante da Europa durante a expansão do Império Romano, e depois chegou às Américas com Cristóvão Colombo.

Alface_romana

Alface Romana

         O desembarque desta verdinha deliciosa no Brasil ocorreu no século 16 pelas mãos dos portugueses. A espécie se adaptou bem às condições climáticas do país (ela pode ser cultivada em todo o território nacional) e rapidamente caiu no gosto das pessoas.

           Suas folhas são vistosas, o que possibilita que a alface não fique restrita à horta ou a um cantinho escondido do jardim. Ela pode ser plantada em áreas mais nobres, como perto da cozinha, por exemplo, para facilitar o uso das folhas na culinária. Ou até em vasos e canteiros, combinada com outras hortaliças e temperos. Dá, inclusive, para criar composições interessantes brincando com as cores e texturas das diferentes variedades de alface.

alface-americana

Alface Americana

      Existem muitos tipos de alface, com folhas de cores, formatos e tamanhos diversos. Normalmente, elas crescem ao redor de um caule curto e espesso, formando a chamada “cabeça da alface”. Porém, em algumas variedades, as folhas são mais soltas.

                  São inúmeras as espécies de alface cultivadas no Brasil. Seis são as mais conhecidas: a crespa, cujas folhas consistentes e encrespadas se agrupam em uma cabeça compacta e podem ser verdes ou roxas; a lisa, de folhas mais soltas; a americana, que forma uma cabeça compacta e arredondada; a romana, de folhas escuras, longas e crespas; a frisada, com folhas de aparência arrepiada; e a mimosa, de borda entrecortada, disponível nas versões verde e roxa.

alface-frisada

Alface Frisada

       O plantio da alface pode ser feito diretamente nos canteiros ou vasos, mas o ideal é começar em sementeiras e, 20 dias depois, quando as mudas estiverem com 5 cm, transplantá-las para local definitivo. A espécie aprecia solo arenoso, então a forma ideal de prepara-lo consiste em misturar duas partes de substrato orgânico, uma parte de areia e uma colher de sopa de bokashi, que é uma mistura de farelos fermentados, ou húmus de minhoca.

     As mudas devem receber pelo menos quatro horas de sol por dia e ser regadas sempre que o substrato estiver seco. De 35 a 45 dias após a semeadura, a hortaliça está pronta para ser colhida. Você pode arrancar o pé pela raiz, puxando-o com as mãos, ou retirar apenas algumas folhas, sempre de fora para dentro. Quando não são cortadas no prazo, as folhas da alface começam a amargar e, em seguida, desponta uma inflorescência de até 1,5 m de altura, composta por pequenas flores amarelas.

alface-lisa

Alface Lisa

        Caso nunca tenha visto a planta florescer, vale a pena deixar uma muda atingir esse estágio, só para matar a curiosidade.

         Apesar de não ser muito suscetível a pragas, pode sofrer o ataque de tripes, um pequeno inseto que se alimenta de suas folhas, ou míldio, doença causada por fungos. O combate é feito com aplicações semanais de óleo de neem diluído em água.

        Se os ataques forem muito frequentes, a dica é optar pelo cultivo de variedades mais resistentes a essas pragas. A batávia-cacimba, de folhas crespas e escuras; a itaúna, que é frisada e tem sabor adocicado; e a mimosa-prado, de cabeça compacta e folhas arroxeadas, são algumas que resistem bem ao míldio.

Batávia-Cacimba

Alface Batávia-Cacimba

    Famosa por seu baixo valor calórico (são 15 calorias a cada 100 gramas) a alface é rica em água e fonte de vitaminas A e C. Ela tem efeito antioxidante e calmante, e o chá produzido a partir de suas folhas é usado para combater a insônia.

Mimosa-Prado

Alface Mimosa-Prado

Alface em detalhes

Nome científico: Lactuva sativa

Nome popular: alface

Família: Asteráceas

Origem: incerta, mas acredita-se que tenha surgido na Ágia e na região do Mediterrâneo

Características: herbácea anual, de folhas comestíveis, com ciclo de 35 a 45 dias

Folhas: diferem conforme a variedade da alface. Podem ser lisas, crespas ou frisadas e em tons de verde ou roxo

Flores: pequenas e amareladas, despontam entre 60 e 70 dias após a semeadura, e a haste que as sustenta pode medir até 1,5 m de altura. Raramente são vistas, pois a alface atinge o ponto ideal para a colheita antes do surgimento das flores

Luz: sol pleno

Solo: arenoso e bem drenado

Clima: subtropical árido, com temperaturas entre 14 °C e 24 °C

Plantio: pode ser feito direto em vasos e canteiros, mas o ideal é plantar as sementes em uma sementeira e depois transferir as mudas para o local definitivo. Prepare o substrato misturando duas partes de substrato orgânico, uma parte de areia e uma colher de sopa de bokashi ou húmus de minhoca. Distribua-o na sementeira, acomode as sementes a 0,5 cm de profundidade e regue. Quando as mudas estiverem com 5 cm de altura, transplante-as para o canteiro ou vaso, que deve ser  preparado com o mesmo substrato usado na sementeira. Deixe espaçamento de 30 cm entre as mudas

Regas: sempre que o substrato estiver seco

Propagação: por sementes

itaúna

Alface Itaúna

 

      Gostou de conhecer um pouco mais sobre a hortaliça mais amada do nosso país?

      Deixe seu comentário! 😉

Baseado em – Revista Natureza, Edição 329

5 respostas para "Alface – A rainha das hortaliças"

  • Gostei bastante desta matéria, plantei recentemente um tipo de alface Lais, que não estou encontrando mais sementes, também resistente as doenças já citadas no texto ok Abraço Otávio

  • Aqui na terrinha é difícil encontrar alfaces nos vasos, comprava manjericão e outras plantas, no fim as folhas ficavam pretas e morriam. Será que é esse mosquito que come as folhas?

  • Boa tarde!!!.
    Muito importante essa aula, gostaria de obter mais informações sobre outras hortaliças, como plantar, como cuidar, quais precisam de sol, e as que não precisam de sol, quanto tempo deve receber sol,e outras coisas mais.
    Obrigado!.
    Aguardo resposta.

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *