Informações sobre orquídeas para iniciantes

11 Comentários

     Se você nutre uma enorme paixão por orquídeas mas sempre se perde lendo artigos sobre elas por não entender alguns termos utilizados na jardinagem não se preocupe, esse seu problema está com os dias contados. É sobre isso que falaremos agora!

     Você sabe o que é epífita?

     A palavra epífita é muito usada quando o assunto é orquídeas. Em tradução livre, o termo quer dizer: plantas que crescem em árvores. Porém elas não são as únicas plantas de hábito epífito.

     Samambaias, chifres-de-veado, avencas e rendas-portuguesas, por exemplo, também se desenvolvem dessa maneira.

     É muito importante destacar que a grande maioria das epífitas (e aqui estão inclusas as orquídeas) usa a árvore apenas para se sustentar, como uma espécie de suporte. E não para sugar a seiva dela como muita gente acredita.

     Essa ação é realizada por um pequeno grupo de epífitas parasitas, como o fio-de-ovos (Cuscuta spp.), um tipo de praga.

     O significado de Pseudobulbo

     Lírios e tulipas são duas espécies de plantas bulbosas muitíssimo conhecidas, assim como alho e cebola. Apesar dessas espécies possuírem a mesma função que os pseudobulbos, que é armazenar água e nutrientes para períodos de precisão, elas possuem uma diferença. Os pseudobulbos ficam sempre acima da terra. Diferente dos bulbos que se desenvolvem no interior dela.

     O formato dos pseudobulbos varia muito e pode parecer com uma bolinha, com um fuso, ou até mesmo cana-de-açúcar, como muitos Dendrobium.

     Crescimento monopodial e simpodial

     Existem dois tipos de crescimento entre as orquídeas: vertical e horizontal.

     Monopodial é o crescimento para cima, como o das orquídeas Vanda, Ascocenda e Phalaenopsis.

     As plantas que produzem brotos laterais e desenvolvem-se principalmente na horizontal, são as simpodiais. Exemplos: Cattleya e Oncidium.

     Mais simples do que parecia, né?!

     O que é substrato?

     Essa é uma pergunta corriqueira em nossas redes sociais. E a resposta pra ela é bem fácil.

     Substrato é todo o material utilizado para o crescimento e desenvolvimento de uma planta. Os exemplos são inúmeros: terra, areia, musgo, carvão, fibra de coco, casca de árvores ou misturas desses materiais.

     Para o cultivo de orquídeas os mais utilizados são esfagno (um musgo apreciado por micro orquídeas) e uma mistura de chips de coco, pedacinhos de carvão e casca de pínus.

     É legal dizer que não existe um único substrato específico para o cultivo de orquídeas pois os gostos de cada uma das espécies são diferentes.

     É importante conhecer os hábitos de crescimento de cada planta para conseguir escolher o substrato adequado. Procure sempre escolher a opção que mais se aproxime das necessidades de pH, arejamento e umidade da espécie – E claro, que dure bastante. Isso fará com que a necessidade de transplantes seja menos frequente.

     O que é labelo?

     Esse termo significa “pequeno lábio”. Nada mais é que a pétala mais chamativa das orquídeas.

     Ela pode ser idêntica às outras ou possuir alguma diferenciação especial de cor, brilho, tamanho, perfume ou textura.

     Essa pétala tão especial é a principal atração dos polinizadores e por isso evoluiu até alcançar uma extrema especificidade. Destacou-se.

     Veja só que curioso, a orquídea do gênero Ophrys, possui um labelo que imita a fêmea das abelhas polinizadoras.

     Outras como as Coryanthes, chegam até mesmo a trancafiar o polinizador num labelo que é um perfeito labirinto.

     Existem também labelos móveis. Estes se adpatam ao peso do inseto, proporcionando um encaixe totalmente perfeito e um acesso muito mais fácil às polínias.

     E por fim, há ainda os labelos que exalam perfume ou seu feromônio especial. Tão especial que só é perceptível ao inseto polinizador daquela espécie.

     Já ouviu falar de rizoma?

     O rizoma é um tipo especial de caule. O gengibre é um famoso exemplo.

     Esse tipo especial de caule pode ser subterrâneo, como no caso do gengibre, ou nascer pra fora da terra. Ele se desenvolverá bem rente à ela. E é exatamente isso o que ocorre na maioria das orquidáceas.

     Há casos em que os rizomas vão se elevando do solo com o crescimento da planta.

     Sabe aqueles cabinhos da Maxillaria tenuifolia que ligam um pseudobulbo a outro e produzem raízes? Pois é.

     Mas há também situações onde eles ficam extremamente próximos uns dos outros e se desenvolvem rasteiramente. Como no caso de orquídeas do gênero Laelia.

     Gostou de conhecer um pouco mais sobre orquídeas e seus termos?

     Em nossa loja você encontra substratos, vasos, fertilizantes e outros produtos para o cultivo dessas plantas tão amadas.

     Conheça clicando aqui!

     Bom cultivo! 🌸

11 respostas para "Informações sobre orquídeas para iniciantes"

  • Muito interessante as suas explicações sobre as orquídeas.Gostaria de saber onde é sua loja
    física,para poder visita-la e aprender um pouco mais do tema.

  • Muito bom e de fácil entendimento. Gostaria de saber mais como cuidar das orquídeas. Quanto de água, sol, sombra, etc… obrigada

  • Gostei muito da explicação, não sabia como plantar, plantava por intuição, obrigada por ajudar quem gosta de plantas.

  • Gostaria de saber qual o melhor vaso para cultivo em jardim vertical e como cuidar.
    Amo orquídeas, mas não sei cuidar…

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *